Posts com Tag ‘amizade’

Simplicidade

Publicado: 14 14UTC dezembro 14UTC 2011 em Sem categoria
Tags:, , , , , , , , , , ,

Sabe o cheiro de um café feito no coador de pano e tomado em xícara de metal esmaltada? Aquele cheiro que convida as pessoas para o papo pela manhã. Conversa descompromissada. Daquelas cheias de graça e risos. Feitas de um material que parece perdido na correria dos dias loucos em que vivemos?

Falo disto. Da simplicidade da vida, que tornou-se tão sofisticada que o bom tom tomou conta da originalidade pessoal. Tornamo-nos caricaturas cheias de exageros. Escondemo-nos na sofisticação que rotula e dá status. Acabamos por nos esconder no pior esconderijo que pode existir: em nós mesmos.

Com isto, nos contentamos com o rascunho aceito pela maioria.

Nos afastamos.

Parentes distantes tornam-se qualquer coisa, menos parentes.

Amigos vivem ao nosso redor! Como?

A prática moderna de amizade tornou-se a seguinte: abra seu Facebook e olhe embaixo da foto do seu perfil. Agora abra um sorriso amarelo e se alegre em ler a quantidade de amigos você tem ali!

A compensação da solidão contemporânea é premiá-lo apartir da quantidade de seguidores você tem no Twitter.

Bobagem!

Ser humano sobrevive mesmo com o contato com o outro. Contato que traz saudades. Contato que reafirma amizades. Contato que traz atritos. Contato que nem a melhor tela touch pode trazer…

Vi este clipe de Marcelo Jeneci estes dias. Enviado por um amigo real, que encontro e já temos algumas boas histórias pra contar.

No meio do clipe comecei a chorar. Sou de uma família humilde. Meus pais paraibanos deram a mim e ao meu irmão o que não tiveram oportunidade. Esforçaram-se para que a nossa história não fosse uma mera repetição de fatos. E uma das marcas de meus pais foi a da simplicidade e respeito. Não seriam os outros que diriam aonde nós poderíamos chegar.

Olhei o clipe e me lembrei deles. Olhei para aquela gente humilde, que em sua maioria são da própria família do Marcelo Jeneci, e como flashes que espocavam em minha mente revi parentes.

Revi minha avó paterna, que com seus mais de 70 anos tinha a pele de índia e cabelos compridos mantido presos em seu belo coque. Mulher guerreira que matava galinha no quintal com peixeira afiada. Mulher que honrando a tradição  indígena, gostava de comer fazendo ‘bolinhos’ com a mão.

Num detalhe revi meu avô, com suas camisas sempre bem passadas e abraços largos. Lembrei de sua risada barulhenta que sempre o fazia derramar lágrimas quando gargalhava.

Ali pude perceber que minhas tias estão vivas e nossos contatos mortos!

Em meus olhos saltaram imagens de minha mãe. Dona Salete, que sabia con-viver com sabedoria mesmo em meio as humilhações que a mesquinhez humana fazia submergir de pessoas ditas de alta classe.

Os cabelos brancos de meu pai vieram a minha mente, como se fosse um tapete para que caminhássemos e o carpe diem fez-se vivo!

Percebi que meu irmão esta indo morar em Curitiba e isso me fez chorar e sorrir.

Foi neste instante que a letra de Jeneci explodiu em meu peito:

“Tem vez que as coisas pesam mais do que a gente acha que pode aguentar.
Nessa hora fique firme, pois tudo isso logo vai passar.
Você vai rir, sem perceber, felicidade é só questão de ser.
Quando chover, deixar molhar pra receber o sol quando voltar.”

A vida é  feita de oportunidades! Jogamos fora inúmeras…

Fiz um acordo com Deus: quero deixar de jogar fora as oportunidades que surgem!
Quero a simplicidade, o contato, a vida que tem esperança na volta do sol no meio da chuva.

Como acontece no clipe há a presença do arco-íris. E lembrei-me na hora da aliança feita entre Deus e os homens de que a terra não seria mais destruida por dilúvios:

“O arco estará nas nuvens;
vê-lo-ei e me lembrarei da aliança eterna
entre Deus  e todos os seres viventes
de toda carne que há sobre a terra.”
Gn 9.17

O que eu fiz com tudo isso? A chuva sempre virá, mas não será um sinal de fim. É a oportunidade de ver o sol brilhar. E se meu peito ansioso e arredio de esperança começar a gritar, Deus sorri em forma de arco-íris avisando que o Sol da Justiça retornará!

Glória a Ele!
Vivamos a vida nEle!

Free hugs

Publicado: 6 06UTC janeiro 06UTC 2011 em Sem categoria
Tags:, , , , , , , ,

Muitos já escreveram sobre o papel da afetividade no relacionamento. Não importa qual nível de relacionamento, um simples abraço desperta um gama de sentimentos que nem a mente humana pode conter.

Não é a toa que em tempo de isolamento, campanhas como o free hugs, os famosos ‘abraços grátis’, fazem sucesso em paises de culturas tão dispares quanto Brasil e Japão. Há uma espécie de ‘cultura do eu’ acima de qualquer funcionalidade que um realcionamento possa exercer. Vivemos tempos de I-pad, I-pod e afins. O eu tem comandado tudo, a solidão a dois se solidifica.

A igreja neste sentido expõe o fato de tão imersa na cultura em que vive, repete todos os sinais de sua sociedade. E isto acontece, querendo nós ou não. Não é raro as pessoas ficarem em igrejas durante anos e nunca ao menos serem inseridas na comunidade. Não é difícil ouvir casos em que membros de igrejas buscam na comunidade uma espécie de bunker que os protejam do outro. E tudo isto em meio a comunidade!

Coisas como estas, que muitos lideres querem esconder embaixo de acarpetadas catedrais, acontecem e acabam por demonstrar o óbvio: estamos deixando de viver a igreja como comunidade!  A igreja deve e muito ultrapassar o fato de ser uma reunião de pessoas de culturas diferentes que se isolam em guetos dentro do próprio gueto. A argumentação isolacionista, que parece querer perpretar a inutilidade da vida comunitária da igreja, não consegue perceber que isto na verdade é uma aniquilação do porque existe a própria igreja.

Todos os dias da semana pela manhã em minha igreja acontece uma reunião de oração. Lá uma irmã querida, que com seus mais de 80 anos de idade, consegue encarnar em seus passos pequenos e firmes o ideal de afetividade comunitária. Um simples abraço daquela querida irmã, traz consigo uma vontade de repetir com todos os outros irmãos da fé aquele gesto. Um abraço encorpado de amor, cuidado e carinho sinceros. Um simples e profundo abraço. Hoje pela manhã uma outra senhora que ainda estava sob o luto da perda de seu querido marido foi abraçada de uma forma terna por esta querida irmã. Apos o rolar de uma lágrima, esta senhora falou: “Querida, como eu gosto de ser abraçada por você. Quando você me abraça me sinto consolada por Jesus.”

Fiquei parado diante de tal cena. Minha mente e coração entraram em ebulição por começar a refletir se meu carinho e cuidado por meus irmãos chegam aquele nível de simplicidade e verdade de um mero abraço. Lembrei-me das palavras de nosso Senhor de que ele está conosco até a consumação dos séculos. E como creio que Ele esta conosco, será que eu tenho sido um expressão do Amor dEle por mim aos meus irmãos?

Será que o afeto que tenho por eles tem sido verdadeiro e expressão de minha comunhão com Cristo? Ou tenho sido mero repetidor da cultura do eu, deixando de ser benção na vida de tantos que precisam ser consolados, amados e encorajados viverem a sombra de Cristo?

Estas respostas vou aprendendo e caminhando.

E te convido a caminhar esta estrada COMIGO pois cristianismo se faz junto!

Nunca separados!

O reality show “A Fazenda” tem andado na boca do povo. Mesmo não tendo a mesma repercussão do BBB, tenho visto o crescimento da audiência do programa. Inclusive, não há como zappear pela Record sem assistir nem que seja um minuto do programa que é divulgado à exaustão pela emissora.

Como acontece em todos reality shows, o grande acontecimento é a eliminação dos participantes do programa. E entre os integrantes do tal programa tem um cara que eu admiro. Muitos até ficarão de cabelos em pé, mas preciso confessar: sou fã de longa data do Carlinhos, mais conhecido como o Mendigo.

Acompanho há muito tempo o programa Pânico na rádio. Não tenho muitos motivos para ver as forçações de barra do programa da TV, que prefere a ótica do absurdo e baixaria. Diferentemente o programa de rádio sempre foi divertido aproveitando ao máximo convidados de gosto muitas vezes duvidoso. Lá aprendi a admirar a forma rápida que o Mendigo conseguia criar piadas de coisas muitas vezes simples. A rapidez do pensamento do humorista me assustava e me fazia morrer de rir. Outra coisa que chegava a ser inacreditável era o humorista que ‘pegava pilha’ com as brincadeiras dos companheiros de programa. Um humorista mau humorado é algo quase surreal!

O que muitos hoje descobriram, descobri há muito tempo: a raiz da forma rude daquele humorista e sua rapidez vinham da sua vida de menino de rua. A história de alguém que apanhava na Febem, da família e dos “amigos” da rua! Um cara sofrido que a vida transformou em um humorista dos bons! Aquela pedra ainda bruta que fazia rir, estava sendo lapidada pelo drama do abandono e violência de sua infância.

Um menino, que provavelmente, durante boa parte da vida deve ter sido colocado contra a parede. Deve ter ouvido de muitos que a vida não teria mais jeito, que tudo seria sofrimento e a solução devia ser o crime e a vida “fácil”. Só que houve uma reviravolta na história do então adolescente: apareceu uma senhora de uma das famílias mais ricas e por um ato de misericórdia tirou aquele garoto da rua. O menor infrator tornou-se office-boy interno na Jovem Pan.  E em pouco tempo aquele moleque trocava o horário do almoço para sentar no chão do estúdio e assistir o programa Pânico. Prestando atenção nos caras do programa, aproveitando oportunidades e confiando em seu talento, anos depois tornou-se  um humorista querido por muitos.

Como será o futuro dele? Não tenho a menor idéia. O que sei é que imensos talentos como o dele estão em praças, ruas e morros. Muitos esperando uma mão que fale sobre o talento deles, num discurso diferente dos jornais e telejornais que preferem exterminar toda uma geração que poderia ter um futuro diferente do que a vida tem se apresentado. Alguém que abra porta de educação e trabalho. Demonstrando com atos que a vida é muito mais que fugir da própria vida!

Ando nas ruas e vejo uma imensa quantidade de meninos de rua que tem talento. Não são meros mortos-vivos entorpecidos pela cola que vivem cheirando. São meninos que precisam de uma oportunidade e não de caras amarradas de uma legião de brasileiros que insistem em negar sua existência. Enquanto isto morrem de rir das piadas de um cara que foi um dos milhares de meninos que hoje poderiam estar no submundo do crime.

Deus faça esta Nação se arrepender de nossa omissão!

O Twitter saiu do ar… Suspense no mundo!

Exagero? Para algumas pessoas o sentimento de vazio foi enorme! Um vazio de duas horas, período em que durou o ataque hacker no microblog. Alguns, segundo grandes jornais, disseram que ficaram aflitos. Outras diziam que não havia motivo para terminar nada do que estava fazendo enquanto o microblog não voltasse: voltariam a trabalhar quando tudo voltasse ao normal! Li que um usuário estava desorientado porque não podia dizer ao mundo o que estava fazendo naquele exato momento…

Ai lembrei-me de uma aula de filosofia do seminário em que o professor falou que hoje o pensamento/reflexão tornou-se tarefa para muito poucos. Quando ele falava isto, estava afirmando que se há algumas décadas já eram poucas as cabeças pensantes, hoje os que se preocupam em ruminar pensamentos para ter uma uma opinião sobre algo, tornou-se um circulo ainda menor. Não tive como discordar.

Lembrei hoje daquela aula, justamente por causa da queda do site do Twitter. Não tive como pensar e tirar um grande sorriso ao pensar o seguinte: imaginem 6 meses sem Wikipedia! O emburrecimento desta geração estaria ainda mais exposto. Se as informações da enciclopédia virtual já não é das mais confiáveis, imagina a sua interrupção por causa de hackers?

Será que o povo deixaria de “copiar e colar” os textos do famigerado site e passariam a descobrir que existe uma “coisa” chamada livro? Eles entenderiam que o cérebro pode guardar informações em quantidades maiores do que o maior dos HDs? Acho eu que até mesmo ficariam boquiabertos: o mundo do pensamento ultrapassa o mundo dos fóruns que infestam a internet! E pasmem: perceberiam que a discussão face a face, pode ser extremamente saudável!

Enfim… Que a vida ultrapassa o mundo dos bits!

Hoje muitos se sentiram solitários porque o twitter saiu do ar. Será que os hackers fizeram um grande favor de avisá-los que por duas horas ficaram de frente a um espelho?

Fica esta pequena reflexão que não foi copiada do wikipedia! rssssssssss

PAZ!

Cidade assolada após um tsunami

Hoje conversei com dois amigos e sai do papo pensando sobre como somos vulneráveis em nossas crenças. No papo falamos sobre a falência das certezas, onde pessoas esclarecidas vão atrás da primeira onda que lhes faça sentido. Mesmo que a onda nem tenha estrutura para ser uma ‘marola’, acaba tendo uma força de um tsunami.

Assim parece funcionar a cabeça de muita gente. Experiências estão falando mais do que qualquer coisa que possa ter um senso de realidade. Tudo vale, tudo mesmo! Ai sobra pouca coisa. Não basta intelecto se as emoções falam com uma potência enorme… Equilíbrio passa longe, bem longe…

Lembro de quando vi um video do Tsunami. O que mais me impressionou era a volta das águas ao mar: tudo era tragado ao infinito do mar! O que antes era uma cidade, agora nem um esboço de cidade existia. TUDO era retirado de lugar e parecia que nunca haviam passado pessoas por ali!

Esta imagem me vem a mente quando penso nesta busca desenfreada por experiências incertas. No primeiro momento parecem as águas de um tsunami rasgando tudo por dentro trazendo mudanças completamente radicais nas estruturas. Só que o maior estrago é a saída das águas: Na maioria das experiências religiosas frustradas, o que há de pior é o vazio desestruturado que muitas crenças deixam nas cabeças de muitos. Tudo por dentro é escombro, lama, vazio caótico…

Em busca do espiritual, enche-se a mente de qualquer coisa. Se tem sentido ou não, isto é o de menos. O importante é crer! Ai tudo se esvai levado a um mar infinito e agora cinza de frustrações.

Eu quero mergulhar o mais profundo que puder no conhecimento de Deus. Sei que com isso ficarei de frente a coisas que minha mente não conseguirá alcançar. Só que, quando leio as Escrituras, vejo um Deus que valoriza o intelecto que me deu. Um Deus que me chama a dar razão de minha fé e não para me tornar num “ser espiritual”. Vejo Cristo chamando discípulos que antes eram inimigos dEle e hoje tornaram-se gente.

E nada me tira da cabeça que Ele chamou os discípulos de amigos, pois eles haveriam de se tornar gente!

Não preciso nem dizer…

Publicado: 12 12UTC julho 12UTC 2009 em Sem categoria
Tags:, , , , , , , ,

Apesar de todo o estardalhaço que a Globo fez do show de Roberto Carlos no Maracanã, não lembrava que seria no dia de ontem. Saímos para jantar, eu e minha esposa num restaurante aqui de nossa cidade e lá ficamos sabendo que o show do rei estava passando pela TV.

Não adianta, tem certos cantores que nos tornamos fãs quer seja pelo talento ou por questões afetivas.  No caso do Roberto Carlos as duas coisas se fundem: acho a fase 70 dele sensacional, além de sempre me trazer à memória minha mãe que não perdia um especial da TV e sempre que podia ouvia o rei lá em casa.

Diante de tais fatos, confesso que em alguns momentos acabei chorando de emoção na mesa do restaurante. Tem canções dele que são de beleza ímpar e o tempo faz com que a poesia de Roberto e Erasmo fiquem como vinho bem encorpado pelo passar dos anos. Mesmo a patrulha intelectual tem que engolir a genialidade de suas canções e bater palmas para a forma impressionante de como elas tocam pessoas de diferentes idades e classes sociais. Eu que estava num restaurante de classe média, testemunhei um casal de idosos aparentando uma vida financeira mais abastada se emocionarem literalmente com as canções de Roberto Carlos. Ao mesmo tempo um garçom, de não mais que 25 anos de vida, também às lágrimas quando tocou “Meu querido, Meu velho, Meu amigo”.  Fiquei imaginando aquela cena se repetindo em tantas casas simples, mansões, butecos ou biroscas em todas as regiões do Brasil. Emoções sinceras de canções sinceras.

O ponto central do show de ontem foi o momento do encontro de Roberto e Erasmo. A visível emoção daquele momento me tocou muito. Eles que já fizeram milhares de vezes o tão esperado momento “meu amigo Erasmo Carlos”, ontem este instante foi de uma tocante emoção. Fiquei pensando que a idade esta passando para os dois.  E ali, diante de 70 mil pessoas, aqueles senhores estavam celebrando uma amizade de mais de 50 anos. Dos tempos em que na Tijuca, Roberto Carlos foi procurar um tal Erasmo por indicação de Tim Maia. E tudo por causa de Elvis Presley: Erasmo era o maior conhecedor de Elvis e tinha as letras das músicas decoradas. Roberto precisava cantar de forma correta as letras do rei do Rock numa apresentação e somente Erasmo tinha! Dai nasceu a celebrada parceria que vimos ontem e que muitos comparam com a de Lennon e Mcartney…

Ontem vi emoção de verdade no palco, o choro de uma vida de altos e baixo. De amizade que abrigou até uma ruptura durante algum tempo. Duas pessoas que tiveram a sua existência carregada de traumas pessoais que por pura predestinação foram unidas e acabaram em muitas de suas canções sendo instrumento de conforto, amor e alegria.

Ali naquele palco vi dois homens que, ao mesmo tempo que celebravam a amizade, tinham no olhar o peso de saber que os dias estão passando. A vida conta os dias, nós acabamos por não acreditar muito nisto. Cinquenta anos já se passaram e hoje eles beiram os 70 anos de vida… Muita coisa passa na cabeça: vitórias, lutas, tristeza, alegrias, traumas e cabeça erguida.

A música que ouvi milhares de vezes só teve real sentido ontem: vi a lágrima e emoção sincera de dois velhos amigos. Sem maquiagem ou truques de cena que as gravações acabam por simular… Choros que não escondem as rugas do tempo de amizade, que botox ou plástica alguma podem esconder.

E ali percebi que amigos são muito poucos mesmo! Daqueles que, conforme a canção tem a devida coragem de dizer “as verdades com frases abertas” e que sempre tem “sorriso e abraço festivo da minha chegada”. Disso posso dizer de poucos, poucos mesmo!

Na hora comecei a lembrar dos poucos amigos de caminhada que tenho. Querem saber? Chorei na mesa pensando no valor das verdadeiras amizades. Valor que dinheiro não pode comprar!

Sonhei em chegar aos meus 70 anos e ter ao meu redor meus amigos de verdade! Sinceros! Verdadeiros! Lembrei do texto bíblico de provérbios que diz:

“O homem que tem muitos amigos sai perdendo;
mas há amigo mais chegado do que um irmão.”

Provérbios 18.24


Apesar de Roberto cantar que quer ter um milhão de amigos, ele tem caminhado junto de um cara que muitos chamam Tremendão. Não quero um milhão de amigos, quero ter alguns e estes me bastarem. Não tenho como não lembrar uma das partes das Escrituras Sagradas que mais me emocionam. Quando Jesus fala do amor dEle pelos discípulos. Amor incomparável, um amor tal que deu sua própria vida em lugar de pecadores. A estes, que ele tanto ama e os fez filhos por seu sacrifício na cruz, Jesus os chama de amigos:

“Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a  conhecer.  Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda.”

João 15.15-16

Além de ter amigos aqui, minha alma se alegra por saber que sou amigo de Cristo por seu sacrifício! E tudo isto vale mais do que ter um milhão de amigos! Parabéns a Roberto e Erasmo por terem composto ontem uma das mais belas canções que já puderam compor: amizade verdadeira!